TOP 5 - Melhores leituras do ano







Foi difícil selecionar apenas cinco livros, porque a maioria das minhas leituras foram muito boas! Inclusive, queria fazer um Top 5 com as piores leituras, mas não conseguir selecionar cinco livros. Então, vamos ficar apenas com a parte boa e aqui estão os melhores livros de 2016 para mim:


Resenha - It Ends With Us

Adicionar legenda
Livro: It Ends With Us
Autora: Colleen Hoover
Páginas: 386
Sinopse: Lily nunca teve uma vida fácil, mas isso nunca a impediu de trabalhar duro para atingir os seus objetivos. Ela percorreu um longo caminho desde a pequena cidade no Maine, onde ela cresceu. Ela se formou na faculdade, mudou-se para Boston e começou seu próprio negócio. Então, quando ela sente uma faísca por um lindo neurocirurgião chamado Ryle Kincaid, tudo na vida de Lily, de repente, parece quase bom demais para ser verdade. Ryle é assertivo, teimoso, talvez até um pouco arrogante. 


[Precisamos falar sobre...] Pequenas Grandes Mentiras e a Violência Doméstica

Livro: Pequenas Grandes Mentiras
Autora: Liane Moriarty
Editora: Intrinseca
Páginas: 400
Sinopse: Todos sabem, mas ainda não se elegeram os culpados. Enquanto o misterioso incidente se desdobra nas páginas de Pequenas grandes mentiras, acompanhamos a história de três mulheres, cada uma diante de sua encruzilhada particular. Madeline é forte e passional. Separada, precisa lidar com o fato de que o ex e a nova mulher, além de terem matriculado a filhinha no mesmo jardim de infância da caçula de Madeline, parecem estar conquistando também sua filha mais velha. Celeste é dona de uma beleza estonteante. Com os filhos gêmeos entrando para a escola, ela e o marido bem-sucedido têm tudo para reinar entre os pais. Mas a realeza cobra seu preço, e ela não sabe se continua disposta a pagá-lo. Por fim, Jane, uma mãe solteira nova na cidade que guarda para si certas reservas com relação ao filho. Madeline e Celeste decidem fazer dela sua protegida, mas não têm ideia de quanto isso afetará a vida de todos. Reunindo na mesma cena ex-maridos e segundas esposas, mães e filhas, bullying e escândalos domésticos, o novo romance de Liane Moriarty explora com habilidade os perigos das meias verdades que todos contamos o tempo inteiro.


Resenha - Um Gay Suicida em Shangri-la

Livro: Um Gay Suicida em Shangri-la
Autor: Enrique Coimbra
Editora: PerSe
Páginas: 143
Sinopse: Em vez de se entregar à depressão após sobreviver a uma falha tentativa de suicídio, Eduardo pensa: "se cheguei no extremo de tirar minha própria vida, por que não faço tudo que quero sem receios?". Com isso em mente, abandona São Paulo e a família opressora, deixa o namorado preconceituoso para trás e pede carona até chegar na cidade Estrelas, interior do estado do Rio de Janeiro, em busca de novos motivos para se interessar em viver: as primeiras amizades sinceras, a família que nunca teve, novos medos e a possibilidade de um romance inteiro com outro homem. Na jornada à própria Shangri-la, verá que alguns fantasmas são impossíveis de despistar, não importando quantas caronas peça.


[TAG] Saga Literária

Respondi uma tag chamada #sagaliteraria lá no Instagram (@leituravoraz). Eu adorei responder porque eu sou a louca das sagas, né. 

Vamos às respostas.


1. Sua primeira saga.
Eu acho que Diário da Princesa não é bem uma saga né. Até hoje, não li todos os livros, mas foi a primeira série que peguei. Se não for uma saga, então foi Harry Potter. 
2. Saga que te surpreendeu.
A saga Divergente. Surpreendeu pelo final e também porque eu esperava bem mais


3. Saga que tem o maior orgulho de ter.
Desventuras em Série. Que box maravilhoso, que série maravilhosa. Mas Desventuras é saga? Se não for, fico com As Crônicas de Gelo e Fogo. 


4. Saga que mais te envolveu.
Harry Potter. Sem mas.


5. Última saga que leu.
Crônicas de amor e ódio. Na verdade, estou à espera do lançamento do terceiro livro.


E vocês? Me contem quais suas sagas preferidas!

Resenha - The Heart of Betrayal

Título: The Heart of Betrayal
Autora: Mary E. Pearson
Editora: Darkside
Páginas: 402
Sinopse: Em “The Heart of Betrayal — Crônicas de Amor e Ódio v.2”, Lia e Rafe estão presos no reino barbárico de Venda e têm poucas chances de escapar. Desesperado para salvar a vida da princesa, Kaden revelou ao Vendan Komizar que Lia tem um dom poderoso, fazendo crescer o interesse do Komizar por ela. Enquanto isso, as linhas de amor e ódio vão se definindo. Todos mentiram. Rafe, Kaden e Lia esconderam segredos, mas a bondade ainda habita o coração até dos personagens mais sombrios. E os Vendans, que Lia sempre pensou serem selvagens, desconstroem os preconceitos da princesa, que agora cria uma aliança inesperada com eles. Lutando com sua alta educação, seu dom e sua percepção sobre si mesma, Lia precisa fazer escolhas poderosas que vão afetar profundamente sua família... e seu próprio destino.


Resenha - Inferno no Colégio Interno

Livro: Inferno no Colégio Interno
Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte
Páginas: 208
Sinopse: Nada de aventuras emocionantes com final feliz: Violet, Klaus e Sunny Baudelaire são legais e inteligentes, mas a vida deles está repleta de má sorte e infelicidade. Neste livro, os órfãos mais azarados do mundo enfrentam caranguejos que mordem, exames hiper-rigorosos e os castigos duríssimos de um internato. O colégio se transformou em mais um desastroso episódio de suas vidas horríveis. Desta vez, eles precisam escapar de fungos gotejantes, assistir a recitais de violinos, domar o sistema métrico e sobreviver a exercícios de D.O.R. Violet, Klaus e Sunny têm o poder de atrair desgraças. Quem gosta de histórias alegres não deve nem abrir este livro, avisa o autor, pois as histórias de dos Baudelaire são sempre uma desventura pior do que a outra.


[Leituras do mês] Novembro

Consegui ler 11 livros esse mês, e acho que esse foi o meu recorde. Foi um mês muito produtivo, com leituras ótimas! Vem ver.




1 – Mau Começo (Lemony Snicket)

O primeiro livro de Desventuras em Série, tem resenha dele aqui no blog. Eu comecei essa série um tanto desconfiada, mesmo que ela seja amada por muitos. Mas, gente, a série começa maravilhosa, o Lemony é maravilhoso, é tudo maravilhoso. Leiam logo pra se preparar para a série da Netflix.









[Precisamos falar sobre...] A Menina Submersa

Não sei muito bem como começar falando sobre esse livro. É um livro denso, difícil, poético, e muito, muito bom. Uma história crua sobre uma garota que se desnuda durante a narrativa. É um livro dentro de um livro.
India Morgan Phelps, ou simplesmente Imp, é nossa protagonista, e narradora do livro. Imp é esquizofrênica, doença que também atingiu sua avó e sua mãe. Imp trata isso como “a maldição da família Phelps”.
Pode parecer estranho para alguns, mas é comum que pessoas que possuam algum tipo de comprometimento mental tenham consciência sobre isso. Já tive contato com pessoas com diferentes tipos e níveis de psicopatologias, e muitas delas sabem sobre sua doença e tentam lidar da melhor possível com elas. Imp é assim. Ela sabe que é esquizofrênica e nos avisa desde o primeiro instante que talvez não possamos confiar nela.
Mas acontece, Imp, que você é a nossa única fonte aqui nesse livro, e não importa o que esteja escrito, sabemos que é real. Para Imp é real, então para os leitores, há de ser real também. Afinal, nem sabemos direito o que é realidade. Mas para Imp, aquilo é verdade.
Em A Menina Submersa, mergulhamos na mente de Imp e nos seus fantasmas, reais ou não. Vamos conhecer Abalyn, de longe uma das personagens mais reais de todos os livros que já li. Namorada de Imp, ela é alternativa, inteligente e muito carismática.
Abalyn, para mim, foi aquela personagem na qual a gente poderia se amparar quando a história parecia confusa demais. Ela foi um porto seguro, tanto pra mim como leitora, quanto pra Imp. Jamais esquecerei do momento em que Abalyn ampara Imp em um dos momentos mais tensos do livro, a crise de Imp, escrita com maestria pela Caitilin Kiernan.
Se, de um lado, temos Abalyn, crua, autêntica, existindo de fato no mundo real, do outro temos Eva Canning, nua, real ou não, existindo no mundo real ou apenas nos pensamentos de Imp.
Eva Canning é a alma do livro, o ponto chave da história. Uma mulher, uma sereia, um lobo. Real, imaginada. Um produto da mente inquieta de Imp, uma mulher real com uma vida real. Tudo é possível, todas as possibilidades podem ser aceitas, e isso é genial. Caitlin Kiernan nos entregou uma obra magistral.
Mesmo depois de ter lido o livro, ainda não sei dizer o que ou quem Eva Canning é. E, na verdade, nem pretendo.
O que eu gostei mesmo é que mergulhamos na cabeça de Imp e lidamos com todos os símbolos que ela nos traz, tentamos entender os significados que ela atribui às obras que tanto mexem com ela.
Por falar em obras, Imp faz alusão à muitas obras legais durante a sua história, indo dos contos de fadas dos Irmãos Grimm e Perrault à autores mais contemporâneos, como Lewis Carrol. Infelizmente, o quadro A Menina Submersa, de Saltonstall, que enfeitiça Imp fazendo com que ela dê esse nome à sua história, não existe de verdade, foi criado apenas para esse livro. Temos menções ainda à lugares reais, como Aokigahara, floresta japonesa conhecida por ser um local onde as pessoas vão para se suicidar.
Por tudo isso é que Imp parece ser uma pessoa que poderíamos conhecer e até bater um papo. Com suas fantasias, suas histórias, seus contos, suas pinturas, Imp é esquizofrênica sim, mas ela não é apenas isso, não é uma mulher reduzida a um diagnóstico. Ela tem um universo incrível dentro de si, e nos dá a oportunidade única de conhecê-lo.
Eu me arrisquei a conhecer o universo da Imp, e não me arrependo. Vocês já se arriscaram? Vão arriscar?

A Menina Submersa, de Caitlin R Kiernan
Editora: Darkside Books

[Frases & Citações] A Menina Submersa

“Nenhuma história tem começo e nenhuma história tem fim. Começos e fins podem ser entendidos como algo que serve a um propósito, a uma intenção momentânea e provisória, mas são, em sua natureza fundamental, arbitrários e existem apenas como uma ideia conveniente na mente humana. As vidas são confusas e, quando começamos a relacioná-las, ou relacionar partes delas, não podemos mais discernir os momentos preciosos e objetivos de quando certo evento começou. Todos os começos são arbitrários.”

“Algumas vezes, pessoas assombradas chegam a um ponto no qual conseguem afastar os fantasmas ou os fantasmas as destroem. O que piora tudo isso é que tentar arrastar os fantasmas para longe e fechá-los com força onde eles não podem mais nos machucar não costuma funcionar. Acho que nós apenas os espalhamos quando tentamos fazer isso. Você faz uma cópia ou transmite uma parte infinitesimal do fantasma, mas a maior parte fica entrincheirada de modo tão profundo em sua mente que nunca vai a parte alguma.”

“Não acredito em pecado, nem no original nem no outro, mas acredito que as pessoas fazem mal a outras e que imaginar que isso pode ser diferente é apenas pedir para se decepcionar.”

“Ninguém nunca dissera que você tinha de estar morto e enterrado para ser um fantasma Ou, se alguém disse, estava errado. As pessoas que acreditavam nisso provavelmente nunca foram assombradas. Ou somente tiveram uma experiência muito limitada com fantasmas, por isso simplesmente não sabem de nada.”

“Gente morta, ideias mortas e supostamente momentos mortos nunca estão mortos de verdade e eles moldam cada momento de nossas vidas. Nós os ignoramos e isso os torna poderosos.”

“(...)algumas vezes usamos clichês porque não há palavras melhores. Tanto faz.”

“As vidas não se desenvolvem em roteiros ordenados e o pior tipo de artifício é insistir que as histórias que contamos, para nós mesmos e uns para os outros devem ser forçadas a se conformar ao roteiro, narrativas lineares de A a Z, três atos, os ditamos de Aristóteles, ação elevada e clímax e ação decadente e, em especial, o artifício da resolução. Não vejo muita resolução no mundo; nascemos, vivemos e morremos, e no fim disso há somente uma confusão feia de negócios inacabados.”


“Quero ouvir o meu eu real, não o eu falso, inconstante, cujos pensamentos verdadeiros estão todos confinados e escondidos em uma mala debaixo da minha cama onde ninguém poderia ser atingido por frases tão afiadas quanto navalhas.”

Tag Literária

Essa é a tag #booknerdqanda que respondi lá no Instagram e aproveito pra fazer um post sobre a tag aqui também! É bem legal.
Vamos lá?

1.Gênero Favorito: Fantasia.

2.Janny Han ou Stephenie Perkins: ainda não li nenhuma das duas, mas tenho livros delas baixados pra mudar essa realidade em breve.

3.Leitura de verão favorita: A Última Música, do Nicholas Sparks.

4.Local favorito nos livros: Hogwarts;

5.Personagem com quem mais se identifica: Miss Acácia, ela já é desastrada usando óculos, quando não usa então.. 


6.Bad Boy ou Fun Boy: aquela mistura legal né.

7.Preciso ler: qualquer coisa da Maggie Stiefvater.

8.Casar, beijar, matar: casar e beijar é difícil escolher, haha, mas matar com certeza é o Peter, da série Divergente.

Resenha - The Kiss of Deception

Título: The Kiss of Deception
Autora: Mary. E. Pearson
Editora: Darkside
Páginas: 406


Sinopse: Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro? 


TOP 5 - Grandes garotas da literatura

O TOP 5 de hoje será dedicado às grandes garotas da literatura. Cada uma com suas peculiaridades, carregam um grande carinho por parte dos fãs por conta de seus grandes feitos em suas histórias.
Vamos lá?

Resenha - Serraria Baixo-Astral

Título: Serraria Baixo-Astral
Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte
Páginas: 184
Sinopse: Na opinião de Lemony Snicket, ´de todos os volumes que contam a vida infeliz dos órfãos Baudelaire, Serraria baixo-astral talvez seja o mais triste até agora´. Alto-Astral é o nome da serraria que serve de cenário para as novas calamidades que Klaus, Violet e Sunny serão obrigados a viver. Eis a chamada ´ironia do destino´, pois ali, no meio daquelas árvores derrubadas, daquelas enormes toras de madeira, o que as três crianças vão encontrar é mais uma coleção de coisas horripilantes, tais como uma gigantesca pinça mecânica, bifes do tipo sola de sapato, uma hipnotizadora, um dramático acidente que causará ferimentos e um homem com uma nuvem de fumaça no lugar da cabeça. A vida dos Baudelaire é mesmo muito diferente da vida da maioria das pessoas, ´a diferença principal estando no grau de infelicidade, horror e desespero´...
Diante desse quadro, algum leitor desavisado pode desconfiar: ´Como é que alguém vai se divertir com um livro desses, se as personagens não param de sofrer?!´. A pergunta faz sentido, mas é justamente aí que descobrimos um dos melhores segredos de Lemony Snicket, pseudônimo do americano Daniel Handler. Ele leva o exagero às raias do absurdo, faz o realismo perder feio para o mais deslavado faz-de-conta e o resultado não poderia ser outro: uma brincadeira literária incessantemente bem-humorada.

Resenha - O Lago das Sanguessugas

Título: O Lago das Sanguessugas
Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte,
Páginas: 192
Sinopse: O misterioso autor das Desventuras em Série não só alcançou a lista de best-sellers infanto-juvenis do New York Times, como conseguiu entrar em todas as outras principais referências de vendagem americanas. Com sua estranha franqueza, na contracapa deste livro ele manda um recado a seus possíveis leitores: 'Se você ainda não leu nada sobre os órfãos Baudelaire, é preciso que antes mesmo de começar a primeira frase deste livro fique sabendo o seguinte: Violet, Klaus e Sunny são legais e superinteligentes, mas a vida deles, lamento dizer, está repleta de má sorte e infelicidade. Todas as histórias sobre essas três crianças são uma tristeza e uma verdadeira desgraça, e a que você tem nas mãos talvez seja a pior de todas. Se você não tem estômago para engolir uma história que inclui um furacão, uma invenção para sinalizar pedidos de socorro, sanguessugas famintas, caldo frio de pepinos, um horrendo vilão e uma boneca chamada Perfeita Fortuna, é provável que se desespere ao ler este livro. Continuarei a registrar essas histórias trágicas, pois é o que sei fazer. Cabe a você, no entanto, decidir se verdadeiramente será capaz de suportar esta história de horrores'. Respeitosamente. 
Lemony Snicket.

Resenha - A Sala dos Répteis

Título: A Sala dos Répteis
Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte
Páginas: 208
Sinopse: Lemony Snicket é um autor que não pode ser acusado de falta de franqueza. Sabe que nem todo mundo suporta as tristezas que ele conta e por isso - para que depois ninguém reclame - faz questão de avisar: 'Se você esperava encontrar uma história tranqüila e alegre, lamento dizer que escolheu o livro errado. A história pode parecer animadora no início, quando os meninos Baudelaire passam o tempo em companhia de alguns répteis interessantes e de um tio alto-astral, mas não se deixem enganar...'. Os Baudelaire têm mesmo uma incrível má sorte, mas pode-se afirmar que a vida deles seria bem mais fácil se não tivessem de enfrentar o tempo todo as armadilhas de seu arquiinimigo: o conde Olaf, um homem revoltante, gosmento e pérfido. Em 'Mau Começo' ele deu uma pequena amostra do que é capaz de fazer para infernizar a vida de Violet, Klaus e Sunny Baudelaire - e aqui as coisas só pioram.


Resenha - Mau Começo

Livro: Mau Começo
Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte
Páginas: 152
Sinopse: 'Mau começo' é o primeiro volume de uma série em que Lemony Snicket conta as desventuras dos irmãos Baudelaire. Violet, Klaus e Sunny são encantadores e inteligentes, mas ocupam o primeiro lugar na classificação das pessoas mais infelizes do mundo. De fato, a infelicidade segue os seus passos desde a primeira página, quando eles estão na praia e recebem uma trágica notícia. Esses ímãs que atraem desgraças terão de enfrentar, por exemplo, roupas que pinicam o corpo, um gosmento vilão dominado pela cobiça, um incêndio calamitoso e mingau frio no café da manhã. É por isso que, logo na quarta capa, Snicket avisa ao leitor: 'Não há nada que o impeça de fechar o livro imediatamente e sair para uma outra leitura sobre coisas felizes, se é isso que você prefere'.


Resenha - Caixa de Pássaros

Livro: Caixa de Pássaros
Autor: Josh Malerman
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Sinopse: Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler.
Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.


Leituras de Outubro

Nesse mês, li um total de seis livros, um a menos do que o mês passado. Mas, em compensação, esse mês foi muito mais produtivo, com leituras melhores, mais fluidas e com histórias mais bem construídas. Esses foram os livros lidos:

Joyland - Stephen King

Tem resenha desse livro aqui no blog, onde eu conto tudo o que achei do livro. Estou tentando entrar um pouco no universo do King, por isso optei por essa leitura, e não me arrependi. O livro começa num ritmo bem lento, mas quando mostra a que veio, a leitura flui rapidamente. A escrita do King nas últimas páginas do livro, quando acontece a resolução, é fantástica, e eu terminei esse livro encantada com o autor e querendo ler mais obras dele.









Resenha - Encontrada

Livro: Encontrada
Autora: Carina Rissi
Editora: Verus
Páginas: 476
Sinopse: Sofia está de volta ao século dezenove e mais que animada para começar a viver o seu final feliz ao lado de Ian Clarke. No entanto, em meio à loucura dos preparativos para o casamento, ela percebe que se tornar a sra. Clarke não vai ser tão simples quanto imaginava.
As confusões encontram a garota antes mesmo de ela chegar ao altar e uma tia intrometida que quer atrapalhar o relacionamento é apenas uma delas. Além disso, coisas estranhas estão acontecendo na vila. Ian parece estar enfrentando alguns problemas que prefere não dividir com a noiva.
Decidida, Sofia fará o que estiver ao seu alcance para ajudar o homem que ama. Ela não está disposta a permitir que nada nem ninguém atrapalhe seu futuro. Porém suas ações podem pôr tudo a perder, e Sofia descobre que a única pessoa capaz de destruir seu felizes para sempre é ela própria.
Em Encontrada: À espera do felizes para sempre, Carina Rissi traz de volta o mundo apaixonante de Ian e Sofia, nos permitindo mergulhar mais uma vez nesta maluca e envolvente história de amor.


Resenha - Perdida

Livro: Perdida
Autora: Carina Rissi
Editora: Verus
Páginas: 364
Sinopse: Sofia vive em uma metrópole e está acostumada com a modernidade e as facilidades que ela traz. Ela é independente e tem pavor à mera menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são aqueles que os livros proporcionam. Após comprar um celular novo, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século dezenove, sem ter ideia de como voltar para casa – ou se isso sequer é possível. Enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de retornar ao tempo presente, ela é acolhida pela família Clarke. Com a ajuda do prestativo – e lindo – Ian Clarke, Sofia embarca numa busca frenética e acaba encontrando pistas que talvez possam ajudá-la a resolver esse mistério e voltar para sua tão amada vida moderna. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos... “Perdida” é uma história apaixonante com um ritmo intenso, que vai fazer você devorar até a última página.


TOP 5 - Livros com protagonistas crianças










 Um pouco atrasado, mas esse é o TOP 5 com personagens crianças. Procurei por livros que, não apenas tivessem como protagonista uma criança, mas que também exaltasse a beleza disso.


Resenha - Joyland



Livro: Joyland
Autor: Stephen King
Editora: Suma das Letras
Páginas: 240
Sinopse: Carolina do Norte, 1973. O universitário Devin Jones começa um trabalho temporário no parque Joyland, esperando esquecer a namorada que partiu seu coração. Mas é outra garota que acaba mudando seu mundo para sempre: a vítima de um serial killer. Linda Grey foi morta no parque há anos, e diz a lenda que seu espírito ainda assombra o trem fantasma. Não demora para que Devin embarque em sua própria investigação, tentando juntar as pontas soltas do caso. O assassino ainda está à solta, mas o espírito de Linda precisa ser libertado — e para isso Dev conta com a ajuda de Mike, um menino com um dom especial e uma doença séria. O destino de uma criança e a realidade sombria da vida vêm à tona neste eletrizante mistério sobre amar e perder, sobre crescer e envelhecer — e sobre aqueles que sequer tiveram a chance de passar por essas experiências porque a morte lhes chegou cedo demais.

TOP 5 - Livros/séries da estante que preciso ler

Hoje é quarta-feira, e é dia de TOP 5 aqui no blog. Decidi falar sobre como eu tenho que tomar vergonha na cara e listar os 5 livros da estante que eu preciso ler urgentemente.
Vamos lá?

Resenha - A Coroa

Livro: A Coroa
Autora: Kiera Cass
Editora: Selo Seguinte, Cia das Letras
Páginas: 312

Sinopse: Em A herdeira, o universo de A Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria Seleção. Ela não acreditava que encontraria, tal como seus pais, um amor verdadeiro durante o concurso. Mas alguns candidatos conseguem abrir rachaduras nas muralhas que Eadlyn construiu em volta de si mesma, principalmente de seu coração. Aos poucos, os Selecionados se tornam seu porto seguro, ao mesmo tempo que a fazem enxergar como é a vida fora da bolha em que vive.
E ela realmente está precisando: os acontecimentos no palácio obrigam Eadlyn a assumir cada vez mais responsabilidades no governo, e a garota não tem escolha a não ser encarar a rejeição do público. Seu maior desafio é se aproximar do povo, mostrando que se importa e que tem capacidade de governar. Tudo isso enquanto a pressão para escolher um marido só aumenta — e um garoto em particular começa a tomar conta de seu coração.

Leituras do mês de Setembro

Ao todo, li sete livros no mês de Setembro, e até superei minhas expectativas. Achei que fosse ler uns quatro livros apenas, mas foram aparecendo notícias, e outras coisas que me fizeram correr atrás de livros que eu não esperava ler tão cedo.
Então vamos lá?



1- O Destino do Tigre - Colleen Houck

Eu confesso que esperava muito mais dessa saga. A autora tinha uma ótima ideia nas mãos, mas não soube dosar e deixou que o romance virasse o foco. O livro é narrado por Kelsey e ela passa praticamente os quatro livros se lamuriando, se dizendo feia, inventando mil motivos para não ficar com o homem que ama e blá blá. O que me segurou foi a questão da cultura hindu como plano de fundo, mas me decepcionei




TOP 5 - Melhores séries e/ou sagas


Planejo fazer um TOP 5 toda quarta, e decidi começar selecionando as cinco melhores séries e/ou sagas que já li.
Vamos lá?

Resenha - A Herdeira





Livro: A Herdeira
Autora: Kiera Cass
Editora: Selo Seguinte, Cia das Letras
Páginas: 392

Sinopse: 
Vinte anos atrás, America Singer participou da Seleção e conquistou o coração do príncipe Maxon. Agora chegou a vez da princesa Eadlyn, filha do casal. Prestes a conhecer os trinta e cinco pretendentes que irão disputar sua mão numa nova Seleção, ela não tem esperanças de viver um conto de fadas como o de seus pais… Mas assim que a competição começa, ela percebe que encontrar seu príncipe encantado talvez não seja tão impossível quanto parecia.